processing

Roteiro pelo Modernismo em Belo Horizonte

12 prédios modernos (com nome do arquiteto e data seguidos do endereço) entre as praças Sete e da Liberdade, região central de BH, onde o modernismo se traduz em arranha-céus, com surpresas do topo à calçada. Entre no jogo de identificar outros prédios modernos pelo caminho.

Mídia: Texto

1. Ed. Niemeyer. Praça da Liberdade, 153. Oscar Niemey­er, 1954. Repare: nos ladrilhos hidráulicos disfarçados entre um brise-soleil e outro. O painel em preto-e-branco é do artista carioca Athos Bulcão.

2. Ed. Mape. R. Gonçalves Dias, 1354. Sylvio de Vasconcellos, 1958. Repare: na fachada azul e rosa e nos pilares cobertos de vidrotil do térreo.

3. Ipsemg. R. Gonçalves Dias, 1434. Raphael Hardy Filho, 1964. Repare: na divisão da estrutura em três módulos e no vaivém das pessoas através da fachada envidraçada.

4. BDMG. R. da Bahia, 1600. Humberto Serpa, Marcos Mey­er, Márcio Pinto e William Ramos Abdalla, 1969. Repare: na estrutura externa autônoma, fazendo com que a caixa de vidro pareça flutuar, e na pérgula de concreto – os recortes circulares emolduram o céu e projetam sombras no chão.

5. DETRAN. Av. João Pinheiro, 417. José Ferreira Pinto, 1956. Repare: na rampa da entrada que leva o espaço da rua para o interior do prédio, como uma continuação da calçada.

6. Residencial Solar. Av. João Pinheiro, 85. Ulpiano Nunes Muniz, 1955. Repare: em como os dois blocos perpendiculares parecem ser edifícios diferentes, na fachada cega revestida de cerâmica vitrificada e nas paredes de cobogós (elementos vazados de concreto).

7. Tribunal de Justiça de Minas Gerais. R. Goiás, 229. Raphael Hardy Filho, 1949. Repare: na entrada com pé-direito monumental e no painel do saguão, de Di Cavalcanti.

8. Posto de Informação – Mercado das Flores. Av. Afonso Pena, 1055. Tarcísio Silva, 1950 ou 1960. Repare: na cobertura curva concebida como abrigo de bondes e na pequena marquise ondulada que a acompanha.

9. Conjunto Sulacap-Sulamérica. Av. Afonso Pena, 981. Roberto Capello, 1941. Repare: na passagem interna que liga a avenida Afonso Pena e o viaduto Santa Tereza e na fachada pouco decorada, característica do modernismo.

10. Ed. Christiano Guimarães. R. Espírito Santo, 605. Luciano Alfredo Santiago e Raul de Lagos Cirne, 1952. Repare: nas diferentes alturas dos dois blocos, com 12 e 24 andares, e na fachada de trás, com arcos e revestimento de pastilhas.

11. Ed. Hércules. R. Espírito Santo, 466. Sandoval Azevedo, 1964. Repare: nos azulejos do saguão, idênticos às peças de Paulo Werneck que revestem o Museu de Arte da Pampulha, a Casa do Baile e o Iate Tênis Clube – esse já é outro roteiro*.

12. Bemge. R. Rio de Janeiro, 471. Oscar Niemeyer, 1955. Repare: no jogo de espelhos que estabelece com o Edifício Helena Passig, na outra esquina do mesmo quarteirão.

(Por Alexandre Mancini)

Leave a Comment